Escolha uma Página

As extintas FARC-EP não foram responsáveis pelos assassinatos de 54 pessoas enterradas em Dabeiba Antioquia

Em relação a informações caluniosas por parte de líderes de opinião como Alfredo Rangel, quem assegura irresponsavelmente em sua conta de twitter que: “Campesinos da zona denunciam que restos humanos encontrados em Dabeiba seriam de familiares seus desaparecidos por ex-FARC-EP, que controlavam o território… porém já estão atribuindo a culpa ao Exército Nacional”, nos permitimos esclarecer que:

  1. Como é sabido pela opinião pública, as exumações no cemitério de Dabeiba começaram em dezembro de 2019 no marco do macro caso 003 “Execuções extrajudiciais cometidas pela Força Pública”, também conhecido como “Caso dos Falsos Positivos”. E que nossa organização nada teve a ver com esta lamentável política de Estado amplamente conhecida pela sociedade colombiana e pelo mundo.
  • Que –de acordo com informação que a JEP ofereceu e o divulgado em seu momento em El Espectador e Revista Semana, os quais foram os primeiros meios em cobrir as diligências de exumação em dezembro passado –as exumações de Dabeiba se dão graças a comparecentes militares que estão oferecendo verdade. Quer dizer, é sabido pública e amplamente que os responsáveis por cometerem os referidos assassinatos, sepultamentos e ocultamento da informação é a Força Pública.
  • Tal como se pode corroborar no comunicado 023 de 21 de fevereiro de 2020, “a Jurisdição Especial para a Paz informa à opinião pública que, nas duas jornadas de inspeção e exumação no cemitério de Las Mercedes de Dabeiba, recuperou um total de 54 corpos relacionados com falsos positivos”.

Em nenhum momento nem a Jurisdição Especial para a Paz nem os meios que investigaram e cobriram o caso fizeram referência a que os referidos corpos tenham sido de vítimas em mãos da ex-guerrilha de FARC-EP. E tampouco apareceu em meios depoimento algum de campesinos –como o afirmam falsamente Rangel e outras contas de redes sociais assegurando o contrário.

  • O comunicado da JEP reza, literalmente, que estas vítimas mortais “teriam sido apresentadas de maneira ilegítima como baixas em combate por parte de agentes do Estado”. Citamos fragmento do comunicado a seguir: “Os antropólogos e funcionários da Unidade de Investigação e Acusação da JEP, ao cotejarem a informação fornecida por um comparecente da jurisdição, e várias testemunhas, se concentraram em 16 fossas onde recuperaram os corpos. Em dezembro de 2019 recuperaram 17 corpos relacionados com “falsos positivos” e na segunda jornada de inspeção e exumação

[entre 17 e 21 de fevereiro]

recuperaram 37 corpos do cemitério de Dabeiba que teriam sido apresentadas de maneira ilegítima como baixas em combate por parte de agentes do Estado. Dentro destes achados estão os corpos de uma família com objetos militares, 2 meninos, várias mulheres, corpos com botas de borracha e corpos com crânios com ferida de arma de fogo com presença de ogivas”.

  • Que os comparecentes de FARC não fomos chamados a responder por achados, informes ou situação alguma em relação com o caso 003 “Falsos Positivos”. Que, por outro lado, e em zonas distantes do cemitério de Dabeiba, segundo comunicado da Jurisdição “a JEP realizou várias inspeções em zona rural de Dabeiba para fixar 5 pontos onde haveria restos de pessoas desaparecidas pelas ex-FARC-EP e colheu depoimentos referentes a supostos desaparecimentos. Estas diligência, no entanto, não constituíram achados alguns ainda, mas sim o início de um processo que não deve desvirtuar ou desviar a atenção sobre a responsabilidade da Força Pública no achado ou na exumação de 54 corpos de vítimas de falsos positivos no cemitério de Dabeiba.
  • Que os comparecentes do partido FARC estamos respondendo com verdadeiro compromisso e aportando verdade em todos os casos em que fomos chamados, porém que o caso 003 –no marco do qual se exumaram os corpos de Dabeiba- não é de competência da ex-guerrilha. Além disso estamos acorrendo aos chamados da Comissão para Esclarecimento da Verdade [CEV] e fornecendo informação e trabalho na Unidade de Busca de Pessoas Dadas por Desaparecidas [UBPD], conseguindo com isso ter encontrado, graças a informação de FARC, o primeiro corpo de um desaparecido por parte desta Unidade. É de se recordar que 79% dos atuais comparecentes da JEP pertencem somos de FARC, e que de 7 macro casos abertos fomos chamados em 5 casos nos quais estamos participando comprometidamente atendendo cada solicitação da Jurisdição e das vítimas, entre elas a realização de 6 audiências coletivas e outras individuais no caso 001 nas quais 350 ex-guerrilheiros participamos presencialmente entre ex-comandantes, mandos altos, médios, guerrilheiros rasos e milicianos e milicianas. Por último, reiteramos à sociedade colombiana, às vítimas e ao Sistema Integral de Verdade, Justiça, Reparação e Não Repetição nosso compromisso com o Acordo e a paz do país, e estamos atentos a responder as solicitações referentes às diligências de Dabeiba e qualquer outra vinda, pois não somos nós que tememos a verdade sobre o conflito armado e estamos firmes em nossa palavra de reparar às vítimas.

CONSELHO POLÍTICO NACIONAL

FORÇA ALTERNATIVA REVOLUCIONÁRIA DO COMUM-FARC

Bogotá DC, 24 de fevereiro de 2020

Tradução > Joaquim Lisboa Neto