Escolha uma Página

Senhor Iván Duque, NÃO MAIS VIOLÊNCIA EM NOME DA CONSERVAÇAO! Cumpra o acordado no Acordo de Paz, detenha a agressão militar contra os campesinos que habitam as áreas protegidas.

As comunidades campesinas da região do Losada Guayabero desde há meses vivem assustadas ante a iminência de uma nova agressão por parte do estado, das instituições do Sistema Nacional Ambiental e das forças repressivas; esta região, que enfrentou o rigor da guerra e lutou com todas as suas forças pela paz e a defesa ambiental do território, observa com frustração como a perfídia contra o acordado e a ameaça do despojo avançam com a complacência dos funcionários que planejam a violência contra suas gentes desde os escritórios de Bogotá, mal precedente.

Como habitantes históricos deste território vimos como o governo se empenha em utilizar a violência contra os campesinos e suas humildes casas; se bombardeia, se queima, se encarcera e se ameaça constantemente às comunidades em nome da conservação, que não ocorre, pois, apesar de que seu governo recebe milhões de dólares por este conceito, nossos ecossistemas ano após ano estão pior devido à incompetência das instituições e a falta de capacidade real do estado para assumir seu papel nestas terras esquecidas, a solução medíocre sempre é a violência, a agressão, o despojo.

Desde ontem e especialmente no dia de hoje se utilizou a força militar do estado para agredir jovens, mulheres e crianças sob a falsa premissa da “conservação”; o saldo parcial é de 14 campesinos capturados [vários menores de idade], dois soldados mortos, veredas inteiras deslocadas e uma região inteira na incerteza total; como se explica esta barbárie senhor presidente Duque?

Nós firmamos um Acordo de Paz que inclui claramente a folha de rota para a solução pacífica e combinada dos conflitos nos territórios, as comunidades mostraram em reiteradas ocasiões sua vontade para a combinaação e para construir um novo modelo de governança ambiental para a paz; seus funcionários se comprometeram com as gentes do comum e você está na obrigação de cumprir o pactuado; por que se empenha em despedaçar a Paz? Por que faz este dano a um país que majoritariamente almeja a concórdia e a reconciliação, que sangue corre em você pelas veias senhor presidente?

Como partido FARC exigimos de você que pare a agressão e que deixe de governar para os interesses estrangeiros que só pretendem saquear nossas riquezas, detenha a barbárie e reflita pois sua política ambiental é um fracasso; não minta mais ao mundo dizendo que você está comprometido com a preservação da Amazônia, por acaso, quando você se para nos tepuyes do Chiribiquete não se comove com essa maravilha natural que nós com autoridade moral podemos dizer que protegemos para a humanidade?

Insistimos em que o diálogo é a rota e a reconciliação nosso único destino como nação, estamos prontos para o diálogos e o consenso onde os protagonistas e os beneficiários devem ser as comunidades, as vítimas! Não subestime as capacidades deste povo digno e aproveite a oportunidade histórica que tem em suas mãos para semear futuro em vez de ódio, pare a agressão e aqui o esperamos, estamos dispostos a acompanhá-lo para que ouça a proposta das comunidades, pelo bem da Colômbia não permita que este paraíso se afogue no sangue de seus compatriotas.

Estado do Meta, 21 de fevereiro de 2020.

Consejo Político Estadual Meta

Força Alternativa Revolucionária do Comum

Tradução > Joaquim Lisboa Neto