Escolha uma Página

Numa breve alocução durante o foro 2020 de Semana na manhã de hoje, a ministra do Interior, Nancy Patricia Gutiérrez, atacou frontalmente os Acordos de Havana firmados pelo governo de Juan Manuel Santos e as FARC-EP no teatro Colón de Bogotá. Em seu parecer, que é o da ministra da política do atual governo, o acordo com as FARC é semi-frustrado, apesar de que o governo respeito a institucionalidade do mesmo.

Tal asseveração se fundamenta, segundo suas próprias palavras, em que as FARC não cumpriram com aqueles que acreditaram nelas. Segundo sua fala, tais descumprimentos são o combustível de grande parte dos problemas pelos quais a Colômbia transita. Não é exagero recordar ao atual governo que as FARC-EP já não existem, pelo que a lógica uribista de culpar a essa organização de todos os males do país carece do menor sentido na atualidade.

Se algo pôs de presente o desaparecimento das FARC-EP, é que os gravíssimos problemas que se acrescentam dia a dia em Colômbia têm uma causa completamente distinta. A iniquidade crescente nos campos do país, a ausência de liberdades democráticas, a falta de garantias para a vida e para o exercício da oposição e do protesto social, o flagelo do narcotráfico, entre outros, encontraram fórmulas claras de solução nos Acordos de Havana.

A perfídia com a qual o atual governo proclama sua política de paz com legalidade, que confunde simplesmente com ausência de violência e cárcere para os delinquentes, perverte o Acordo de Paz pactuado e estimula um caos social que deve beneficiá-lo, pois não o enfrenta de maneira alguma. Os assassinatos de subscritores da paz e de líderes sociais, assim como a atuação impune de múltiplos bandos armados lhe são indiferentes. Isso, sim, se pode chamar de governo falido.

O país se mobiliza em massa em sinal de inconformidade, enquanto o presidente se ocupa em agasalhar a Guaidó e ordenar exercícios militares com o Exército dos Estados Unidos. A implementação integral do Acordo de Paz com as FARC é uma necessidade urgente para a Colômbia. A imensa maioria dos ex-guerrilheiros estamos cumprindo com a palavra comprometida, apesar de que a quase duas centenas lhes custaram a vida. Que Duque cumpra, que comece a governar.

CONSELHO POLÍTICO NACIONAL

FORÇA ALTERNATIVA REVOLUCIONÁRIA DO COMUM FARC

Bogotá D.C., 28 de janeiro de 2020.

Tradução > Joaquim Lisboa Neto